Três perguntas transfóbicas que você deveria cortar do seu dia a dia

Três perguntas transfóbicas que você deveria cortar do seu dia a dia

abril 22, 2020 0 Por Rubia Cely

Nós detestamos ser vítimas de preconceito, não é mesmo? A lgbtfobia já é crime no Brasil desde 2019, quando o STF igualou o preconceito em razão da sexualidade e identidade de gênero ao preconceito em razão da raça, como já tivemos a oportunidade de esclarecer em outro texto desse blog.

Mas será que nós, pessoas lgbti+, também não somos preconceituosos com a própria comunidade? O preconceito entre pessoas lgbti+ é mais comum do que vocês imaginam, por mais absurdo que pareça e, de fato, é absurdo mesmo.

Parte desse preconceito é por desconhecimento da vivência das outras letrinhas que compõem a comunidade lgbti+ e falta de informação tem solução. Por isso, separamos três perguntas que pessoas cisgêneras normalmente fazem às pessoas trans (transexuais, travestis e não binários), sem sequer imaginar que estão sendo transfóbicas.

Para quem ainda não sabe o que é transfobia, é o preconceito em razão da identidade de gênero e, se você se você já fez algumas dessas perguntas selecionadas no texto de hoje a um transexual, travesti ou não binário, sugiro que corte essas expressões do seu dia a dia, para não engrossar o coro da transfobia.

1. Você já fez alguma cirurgia?

Existe uma curiosidade coletiva em relação às cirurgias das pessoas trans (transexuais, travestis e não binários). Você já fez alguma cirurgia é uma pergunta que quase todas as pessoas trans já ouviram.

A pergunta pode soar inocente, afinal de contas não há nada demais em fazer cirurgias, mas ela é extremamente preconceituosa, além de ser até mesmo inconveniente.

Não é porque a pessoa é transexual, travesti ou não binário que a vida dela virou um livro aberto. Ou seja, as pessoas trans não precisam ser coagidas a responderem perguntas sobre seu próprio corpo.

Você que é cisgênero, precisa anunciar aos quatro cantos quais foram as cirurgias que você realizou? Então por que você acredita que as pessoas trans teriam essa obrigação?

Além de inconveniente, a pergunta é transfóbica sim. Porque não são as cirurgias do processo transexualizador que caracterizam a transexualidade de uma pessoa, mas o fato daquela pessoa não se identificar com o gênero lhe atribuído ao nascimento.

Em outras palavras, existem pessoas transexuais, travestis e não binárias que nunca fizeram, tampouco pretendem fazer, qualquer cirurgia para mudar seu corpo. Nem por isso elas deixam de ser transgêneras.

Por isso, não seja a pessoa inconveniente do rolê e corte essa pergunta de temas para puxar conversa com pessoas trans.

2. Qual é o seu nome verdadeiro?

Qual seu nome verdadeiro também é uma pergunta muito presente no cotidiano de transexuais, travestis e não binários. E, se você ainda não tinha desconfiado, é bem transfóbica. Por que? Você vai me perguntar.

Bom, para começar, o nome de registro de um transgênero não é seu nome verdadeiro. Em segundo lugar, o fato do transexual, travesti ou não binário não ter retificado nome não significa que ele não tenha o direito de ser chamado pelo nome social, aquele que ele se identifica.

Em terceiro lugar, se a pessoa trans não se identifica com o nome de registro não tem qualquer necessidade de você saber qual é esse nome, afinal de contas você só poderá chamá-la pelo nome social, do contrário estará sendo transfóbico.

Assim, não quer ser transfóbico, saiba que o nome verdadeiro da pessoa trans é aquele com o qual ela se identifica e gostaria de ser chamada.

3. Você sempre aparentou ser homem (ou mulher)?

Essa talvez seja a pergunta mais transfóbica de todas e, normalmente, ela vem associada de um “elogio”: nossa, nem parece que você é uma pessoa trans, parece um homem (mulher) de verdade.

Vamos combinar uma coisa Bichas? Não é porque você é cisgênero que você é homem (mulher) de verdade. Isso não existe e, pensar dessa forma, é reproduzir o preconceito enraizado na nossa sociedade.

Você, homossexual cisgênero, quantas vezes ouviu que precisava ser homem de verdade ao longo da sua vida? Você não é menos homem (mulher) porque é homossexual e a pessoa trans também não é menos homem (mulher) em razão da sua identidade de gênero. Vamos desconstruir, não é mesmo?

 E aí pessoal, conta para mim nos comentários, vocês já fizeram alguma pergunta preconceituosa para pessoas trans?

Gostaram desse texto? Aproveita e dá uma olhada no nosso trabalho no instagram @bicha_da_justica. Tem sempre novidades por lá.