Direito à felicidade para LGBT+: ser feliz é um direito?

Direito à felicidade para LGBT+: ser feliz é um direito?

junho 12, 2018 0 Por Bicha da Justiça

Uma resolução da Organização das Nações Unidas, ONU, proclamou o dia 20 de março como Dia Internacional da Felicidade. Você sabia que ser feliz é um direito de todo ser humano? A decisão do Supremo Tribunal Federal – STF que reconhece a união homoafetiva reforça o direito à felicidade para LGBT+. Junto com a garantia de liberdade assegurada aos indivíduos.

Direito à felicidade para LGBT+: ser feliz é um direito

Imagem: Creative Commons

Apesar de a palavra “felicidade” não estar expressa no texto constitucional, como ocorre em outros países, a Constituição de 1988 estabelece entre seus objetivos instituir um Estado democrático que assegure o direito ao bem-estar.

Direito à felicidade para LGBT+

Mas será que é possível ser feliz dentro do armário? É possível ser feliz sem que as pessoas LGBT+ possam exercer sua orientação sexual e sua identidade de gênero plenamente? A felicidade é um direito e está ligada à possibilidade das pessoas de se autodeterminar, pautar sua própria vida, suas próprias escolhas… De acordo com suas convicções pessoais. Está ligada ao direito de liberdade e ao direito a um bem-estar pessoal!

Viver no armário, sem conseguir expressar sua própria identidade de gênero e sua sexualidade, dificilmente levará as pessoas a se sentirem bem consigo mesmas. Isso pode gerar infelicidade e, consequentemente, doenças da alma. O Estado precisa fomentar a felicidade das pessoas, já que é compreendida como um direito fundamental. O direito à felicidade para LGBT+ é extremamente importante!

Nesse sentido, quando o Estado reconhece o óbvio, como por exemplo, a possibilidade de uniões homoafetivas, adoções de crianças por casais homoafetivos. E a possibilidade de mudança de nome e gênero de pessoas trans… Nada mais faz do que reforçar que todas as pessoas têm o direito de serem felizes, a partir de suas próprias compreensões de mundo.

Saiba mais sobre o direito à felicidade para LGBT+

Ainda tem alguma dúvida? Converse com um de nossos advogados especializados em tempo real, clicando aqui para solicitar o atendimento!